Bem vindo ao site da FESERP Minas

E-mail:

feserpjf@gmail.com

Visite-nos:

Rua São Sebastião, 780, Centro, Juiz de Fora/MG CEP: 36.015-410

Notícias

Trabalhadores voltam a protestar contra juros altos em todo o Brasil

Nesta terça-feira (19) e na próxima quarta (20), datas em que o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) se reúne para anunciar mudanças nas altas taxas de juros da economia brasileira (Selic), trabalhadores e trabalhadoras voltam às ruas para pedir juros baixos. Atualmente a Selic está em 13,25% – a mais alta do mundo.

A CUT fará protestos em frente às sedes do Banco Central, nas cidades em a instituição está instalada e em locais de maior movimentação onde não há sede do BC nos dias 19 e 20. A Confederação Nacional dos Trabalhadores no Ramo Financeiro (Contraf-CUT), também faz convocação para os bancários participarem de atos na quarta, dia 20.

As estaduais CUTistas já iniciaram a convocação para os atos. Em São Paulo será na terça às 10h, em frente ao Banco Central (Avenida Paulista, 1804). Na quarta também haverá mais um ato no mesmo local convocado pela Contraf.

Em Porto Alegre o ato também será na terça com apoio das demais centrais sindicais, movimentos sociais e partidos comprometidos com a luta contra os juros altos. A manifestação será realizada em frente à sede do BC, na Rua 7 de Setembro, 586, no Centro Histórico. No Pará o ato será na capital, Belém.

Na quarta-feira será em Recife (PE) com previsão de início para às 6h20, em frente à sede do BC. No mesmo dia, no Distrito Federal haverá uma vigília também em frente à sede do Banco Central das 7h às 9h.

A economista da subseção do Dieese, na Contraf-CUT, Vivian Machado, ressalta que a expectativa do mercado é de mais uma queda de 0,5%. Com isso, a Selic passaria dos atuais 13,25% para 12,75%.

“Lembrando que essa será a segunda queda consecutiva da taxa Selic depois de o Banco Central ter praticado, durante três anos, um aumento do índice que alcançou seu ponto máximo, em mais de 20 anos, em agosto do ano passado (13,75%) e se manteve assim durante um ano. Isso fez com que o país passasse a ter o maior nível do mundo de juro real (que é o resultado da Selic menos a inflação), afetando negativamente a economia e a geração de emprego”, completou.

Pressão dos trabalhadores

A Contraf-CUT faz parte das entidades que estão articulando manifestações nas redes sociais e nas ruas, no próximo encontro do Copom. “No primeiro semestre do ano, iniciamos a campanha #JurosBaixosJá, chamando a atenção da sociedade, com vídeos e cards educativos, sobre o impacto dessa política de juros extorsivos praticada pelo Banco Central e que impedem a geração de emprego e que o trabalhador tenha recursos para comprar sua casa própria, seu carro”, destacou a presidenta da Contraf-CUT e vice-presidenta da CUT, Juvandia Moreira.

“Por que uma Selic menor é tão importante para a economia brasileira e principalmente para os trabalhadores? Porque estimula o investimento produtivo e a geração de emprego e renda. Os juros definidos pelo Banco Central são repassados para os clientes de todo o sistema financeiro. Então, com a Selic alta, fica mais alto o custo do crédito para as pessoas e para as empresas, significa pagar mais caro pela casa própria, pelo carro. Logo, o inverso também acontece: a Selic mais baixa dinamiza a economia e melhora a vida da população e do setor produtivo, com mais recurso para gastar e investir”, explicou Juvandia.

Selic razoável

O economista Ladislau Dowbor, professor da PUC São Paulo, calcula que uma taxa básica de juros razoável para o país seria de 6% a 5% (menos da metade da atual), o que daria em termos de juros reais 1,5% de lucro, como é praticada em países da Europa e pelos Estados Unidos. “Os rentistas, que são uma minoria, ganham aqui no Brasil 8,5% de juros sem fazer nada, sem produzir nada. É um escândalo”, alertou.

Já o economista Marcelo Manzano, professor da Unicamp, avalia que um patamar razoável para o juro real no país seria entre 3% e 5%. “Os países da OCDE [Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, que reúne 38 países de economias mais avançadas] trabalham com juros mais baixos, mas infelizmente temos uma moeda menos valorizada, e isso obriga o país a trabalhar com um juro maior. Se baixar demais pode ocorrer a fuga de capital financeiro, pois seria mais confortável para os investidores manterem o dinheiro no exterior. Ainda assim, a atual taxa praticada pelo BC é desproporcional”, explicou em entrevista ao site da CUT.

Entenda

O Copom, entidade do BC, se reúne por dois dias, a cada 45 dias, para definir a taxa básica de juros do país, chamada Selic. O próximo encontro será nos dias 19 e 20 de setembro.

A Selic mais alta aumenta o custo de vida do trabalhador, os empréstimos para pessoa física e empresas e também a dívida do Estado, pois impacta nos juros dos títulos públicos.

Os principais beneficiados com a Selic elevada são, portanto, os detentores dos títulos da dívida pública, que atualmente são as instituições financeiras.

Diante do quadro, movimentos sociais, incluindo o movimento sindical, realizam desde o início do ano manifestações e campanhas com o hashtag #JurosBaixosJá.

Em três anos, desde que Roberto Campos Neto assumiu a presidência do BC, a Selic passou de 2% ao ano, em janeiro de 2021, para 13,75% em agosto de 2022 – nível mantido até agosto deste ano quando, finalmente, o Copom reduziu em 0,50% o índice.

A expectativa do mercado, na próxima reunião, é de um novo corte de 0,50% e que, continuando a tendência de corte, a Selic alcance 11,75% no final do ano.

Economistas de tendência desenvolvimentista, entretanto, avaliam que uma taxa básica de juros razoável deveria, pelo menos, estar no patamar de um dígito.

Onde haverá manifestações da Contraf-CUT

Os atos do dia 20 estão sendo convocados, a partir das 10h (horário de Brasília), com concentração em frente dos prédios do Banco Central, nas cidades onde a entidade possui sede. Nas cidades onde o Banco Central não tem sede, os sindicatos devem chamar a concentração para locais de grande circulação.

Já as ações de rede sociais serão concentradas das 11h às 12h, com a hashtag #JurosBaixosJá, e sempre marcando o Banco Central (@BancoCentralBR) nas postagens.

Confira os endereços para manifestações em frente às sedes do Banco Central, no dia 20.

– Brasília (DF): Setor Bancário Sul (SBS), Quadra 3 Bloco B – Ed. Sede. Brasília;

– Belém (PA): Boulevard Castilhos França, 708 – Campina;

– Belo Horizonte (MG): Av. Álvares Cabral, 1.605 – Santo Agostinho;

– Curitiba (PR): Av. Cândido de Abreu, 344 – Centro Cívico;

– Fortaleza (CE): Av. Heráclito Graça, 273 – Centro;

– Porto Alegre (RS): Rua 7 de Setembro, 586 – Centro;

– Recife (PE): Rua da Aurora, 1.259 – Santo Amaro;

– Rio de Janeiro (RJ): Av. Presidente Vargas, 730 – Centro;

– Salvador (BA): 1ª Avenida, 160 – Centro Administrativo da Bahia (CAB);

– São Paulo (SP): Av. Paulista, 1.804 – Bela Vista.

 

Fonte:  Contraf e CUT Nacional – 18/09/2023

Conheça as vantagens de ser um afiliado. Junte-se a nós e aproveite.