Bem vindo ao site da FESMIG

E-mail:

atendimento@fesmig.com.br

Visite-nos:

Rua São Sebastião, 780, Centro, Juiz de Fora/MG CEP: 36.015-410

Notícias

Professores podem fazer greve nacional em 26 de abril pelo pagamento do piso

Os professores e as professoras podem fazer uma greve nacional no dia 26 de abril pelo pagamento do Piso do Magistério. A greve já estava no radar antes das mobilizações realizadas nesta quarta-feira (22) em todo país em defesa da valorização profissional de quem trabalha na educação básica pública.

No último dia 19, depois de três dias de muitas palestras e debates sobre a conjuntura nacional da educação e sindical na “4ª Plenária Intercongressual Professor João Felício”, os profissionais da educação aprovaram um plano de lutas em defesa da educação pública de qualidade.

O plano inclui mobilização permanente em defesa do pagamento do piso, até que todos os prefeitos e governadores reajustem o piso em 14,94%, de R$ 3.845,63 para R$ 4.420,36, para uma jornada de no máximo 40 horas semanais, e o governo federal revogue o Novo Ensino Médio (NEM).

Esta luta não começou e nem terminou neste dia 22, destaca o secretário de Relações Internacionais da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), Roberto Leão. Segundo ele, a guerra para que a Lei do piso (n° 11.738) seja efetivamente cumprida acontece desde o dia 16 de julho de 2008, quando foi sancionada pelo presidente Luíz Inácio Lula da Silva.

“Existe uma insistência de governadores e prefeitos em não cumprirem a lei e ainda buscarem todos os artifícios para inviabilizar essa conquista do Magistério, que queremos que seja estendida a todos os trabalhadores da educação, porque as escolas não vivem apenas de professores, existem também merendeiras, serventes, funcionários da administração que precisam e devem ser valorizados”, disse o dirigente.

“No dia 26 de abril faremos uma greve nacional pela aplicação da Lei do Piso na carreira e nosso calendário também aponta para a realização de uma Macha em Defesa da Educação em outubro”, explicou Leão.

O dirigente também disse que é importante entender que se trata da aplicação do piso na carreira, porque muitos governantes têm transformado o piso em teto, simplesmente aplicam o reajuste do piso e é isso que fica sendo o salário geral dos professores, tanto os que começaram agora quanto aos que estão na profissão há muito mais tempo.

“Dessa maneira os governantes têm tentado burlar a lei do piso e é por isso que a categoria tem de estar sempre mobilizada para defender o interesse, que não é só da categoria, mas que também é em conquistar uma educação pública de qualidade, que não acontecerá se não houver trabalhadores/as da educação sendo respeitados com dignidade”, destacou Leão.

A luta é por dignidade

Trabalhadoras da educação de diversos estados brasileiros foram às ruas neste dia 22 para exigir a aplicação do piso na carreira, mas desde o começo do ano a CNTE tem se posicionado para cobrar o governo a anunciar o reajuste e para mobilizar a categoria nos estados e municípios.

A presidente do Centro dos Professores Primários do Estado do Rio Grande do Sul (CPERS-Sindicato),  Helenir Aguiar Schürer, conta que há uma luta muito grande da categoria no estado contra o governo que quer achatar a carreira da educação.

Segundo ela, já teve questionamento sobre o valor do piso e as/os trabalhadoras/es gaúchos têm denunciado que a Lei não é cumprida em diversos municípios por decisão política.

“A lei é clara, aqueles estados e municípios que não tiveram condição de pagar o piso, receberão ajuda. O problema é que muitos estados e municípios não cumprem o percentual legal de investimento na educação. A luta pela valorização dos professores é fundamental porque é nossa sobrevivência”, ressalta.

Segundo Helenir, a categoria no estado já passou por governos que não pagaram o piso, parcelaram salário, atrasaram salários e isso gerou um endividamento muito forte da nossa categoria.

“Cobramos o reconhecimento do nosso trabalho, a valorização do nosso salário, porque queremos dar aula sem pensar em como vamos pagar luz, aluguel, água, atender necessidade dos nossos filhos. Uma greve da educação será fundamental para pressionarmos o Rio Grande do Sul voltar a valorizar a categoria”, explica ela ao dizer que houve um tempo em que o estado era o que melhor pagava os professores do Brasil. “Infelizmente caímos muito e estamos entre os piores, e isso é uma vergonha”.

Agenda de mobilizações da categoria

20 de março a 23 de abril: organização da 24ª Semana Nacional em Defesa e Promoção da Educação Pública e coleta de assinaturas de parlamentares ao manifesto da CNTE pela revogação do Novo Ensino Médio (NEM);

24 de abril: entrega dos manifestos no Ministério da Educação (MEC) sobre a revogação do NEM e pelas diretrizes de carreira;

26 de abril: Greve Nacional da Educação pela aplicação do reajuste do piso salarial inicial e na carreira para os/as profissionais da educação e pela revogação do NEM;

28 de abril: acontecerá a Live Nacional pela revogação do Programa Escola Cívico Militares;

1° de maio: os/as profissionais de educação irão às ruas em todo país pelos direitos da classe trabalhadora;

11 de agosto: a luta será nos Estados pelo Dia dos Estudantes;

7 de setembro: Grito dos/as Excluídos/as;

5 de outubro: no Dia Mundial do Docente, será a vez da Marcha da Educação em Brasília.

 

Fonte:  CNTE – 24/03/2023

Conheça as vantagens de ser um afiliado. Junte-se a nós e aproveite.