Bem vindo ao site da FESERP Minas

E-mail:

feserpjf@gmail.com

Visite-nos:

Rua São Sebastião, 780, Centro, Juiz de Fora/MG CEP: 36.015-410

Notícias

Antônio Neto, presidente da CSB, anuncia desfiliação do PMDB

O presidente da CSB, Antônio Neto, anunciou, na manhã desta terça-feira (4 de julho), a sua desfiliação do PMDB e, consequentemente a sua renúncia ao cargo de presidente do Núcleo Nacional do PMDB-Sindical. “Saúdo a decisão do nosso presidente. Fui um dos primeiros a orientá-lo nesse sentido, de que era insustentável a permanência no PMDB”, comentou o presidente da FESERP-MG, Cosme Nogueira – que vai seguir o mesmo caminho. “Quero parabeniza-lo,  pelo gesto de coragem e pela sua postura. Antônio Neto é um grande líder, isto sempre foi demonstrado nas suas atitudes durante a sua trajetória no movimento sindical. O mais importante é que mesmo antes deste rompimento, Neto nunca esteve preso ou comprometido com este governo. A saída do partido é uma sequência de dos fatos anteriores e justamente pelas suas intervenções contrárias ao governo sempre em defesa da classe trabalhadora. Quero manifestar que eu também sigo o mesmo caminho do presidente Antônio Neto e estou desfilando do PMDB, por entender que não é possível permanecer num partido que coloca a pauta patronal como prioridade e despreza os anseios sociais das camadas menos favorecidas e retira direitos da classe trabalhadora”, anunciou.
A desfiliação de Antônio Neto, após mais de 30 anos de militância peemedebista e de lutas históricas para o processo democrático do país, se deu, principalmente, por se declarar contrário às reformas em curso no Congresso (previdenciária e em especial a trabalhista), conduzidas pelo governo Michel Temer e apoiadas por grande parte dos parlamentares do PMDB.
Em carta protocolada ao Presidente do PMDB, Romero Jucá, Neto, também presidente da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB), afirma “que não há como “permanecer filiado ao Partido que, sob o comando de uma pequena cúpula, que afronta o programa partidário; ignora os anseios e a vontade do povo; promove a destruição da Constituição de 1988; enxovalha a democracia duramente conquistada; desrespeita e desmoraliza os Poderes da República; rasga os direitos trabalhistas e sociais; avilta os direitos previdenciários e enterra os sonhos da construção de uma Nação mais justa e igualitária.”
No documento, o presidente da CSB (central com mais de 800 sindicatos filiados) revisita importantes momentos de protagonismo do PMDB na política brasileira até a “crise institucional atual.”  Ressalta que, “por meio um processo parlamentar e da deposição da presidente eleita democraticamente, o PMDB chegou à Presidência da República.
Mas a proposta de uma conciliação e diálogo não durou muito. “Tão logo esquentaram a cadeira, uma pequena corte palaciana, por interesses e conchavos impublicáveis, até mesmo por sobrevivência indulgente, passou a atuar como tropa de choque de uma casta improdutiva e estúpida, que quer impor ao Brasil a ampliação da exploração do homem sobre o homem, implodindo a economia do País e o jogando no caos social, que envergonha todo e qualquer cidadão que tenha o mínimo de sensibilidade”, desabafa.
Neto repudia a ausência de compromisso do PMDB com uma agenda de direitos sociais dos trabalhadores, fruto da deterioração das posições do partido, sem levar em consideração o regimento interno da sigla e seu programa interno. “Para atender aos interesses de grandes grupos econômicos e do setor financeiro, impôs ao Parlamento e à sociedade brasileira uma reforma previdenciária e trabalhista que devasta por completo todo e qualquer direito dos trabalhadores.”
E chama atenção também para o descrédito que Congresso brasileiro obtém, ao abrir mão de legislar. “Digna de governos autoritários, diante da majoritária repulsa do povo brasileiro, o governo tenta aprovar tais medidas, expondo o parlamento brasileiro a um vexatório papel de subscritor de deletérias alterações legislativas, que causarão sofrimento, fome, desregulamentação do mercado de trabalho e até mesmo o óbito político de muitos que seguirão cegamente o caminho do abismo.”
E conclui: sigo minha trajetória de luta. Sigo firme os meus princípios. Como dizia Ulysses: “A história nos desafia para grandes serviços, nos consagrará se os fizermos, nos repudiará se desertarmos.”
(Veja abaixo o pronunciamento em vídeo de Antônio Neto sobre a sua saída do PMDB)
Neto

Conheça as vantagens de ser um afiliado. Junte-se a nós e aproveite.