Bem vindo ao site da FESERP Minas

E-mail:

feserpjf@gmail.com

Visite-nos:

Rua São Sebastião, 780, Centro, Juiz de Fora/MG CEP: 36.015-410

Notícias

Uma multidão de servidores nas ruas de Juiz de Fora, em Estado de Greve

(Juiz de Fora – MG) – Uma multidão de servidores públicos municipais saiu às ruas de Juiz de Fora, na manhã desta quarta-feira (primeiro de junho), para marcar o início do que deve ser um histórico movimento grevista – aliás, os trabalhadores já estão em Estado de Greve, votado e aprovado no início do dia: eles voltam a se reunir em assembleia na próxima terça-feira (7 de junho), logo às 8h, e caso não haja nenhuma proposta satisfatória por parte da Prefeitura, a paralisação começa imediatamente e por tempo indeterminado. A FESERP-MG, a CSB (Central dos Sindicatos Brasileiros) e a CSPB (Confederação dos Servidores Públicos do Brasil) marcaram presença no ato e apóiam incondicionalmente a luta e as reivindicações dos servidores de Juiz de Fora. “Lançar mão de uma orientação equivocada como essa da AMM é uma injustiça, uma covardia contra os servidores”, disse o presidente da FESERP-MG, Cosme Nogueira. “O povo na rua, os trabalhadores em greve são respostas legítimas a uma administração que tenta enganar o funcionalismo”, acrescentou. O SINSERPU-JF, um dos sete sindicatos do Forum Unificado filiado à Federação, quer os 7,19% de reposição salarial prometidos, retroativos a fevereiro; já o SINAGUA-JF, que representa os funcionários da CESAMA, a Companhia de água de Juiz de Fora e é a outra entidade das fileiras da FESERP-MG, reivindica 11,07% de reposição e mais 8% de ganho real. A administração municipal, gestão Bruno Siqueira (PMDB), tem usado a orientação da Associação Mineira dos Municípios (AMM), segundo a qual a Lei Eleitoral proíbe que se leve em conta índices de inflação anteriores ao do ano eleitoral. Dessa forma, o patamar do reajuste só poderia contar os meses deste ano de 2016, o que daria apenas 3,25%.

O ato desta quarta-feira, organizado também pelos outros cinco sindicatos do Forum Unificado (SINPRO-JF/professores, SENGE/engenheiros, SINDIMÈDICOS, SINDIODONTO e SINARQ-MG/arquitetos) e apoiado por outras centrais sindicais (como a CUT), foi marcado por um clima de revolta e indignação com a administração municipal – e também de preocupação com a situação do país e as possíveis reformas, principalmente a da Previdência, prometidas pelo Governo Federal. Na Assembleia, o presidente do SINSERPU-JF, Amarildo Romanazzi, criticou duramente “a intransigência” da Prefeitura e disse que o sindicato não vai, em hipótese alguma, abrir mão dos direitos dos trabalhadores. “O que o prefeito está tentando fazer é dar um ‘calote’ nos servidores. Isso não vamos aceitar. O que está acontecendo hoje é apenas o pontapé inicial. Não vamos aceitar esmolas, queremos o justo”, avisou. Já o presidente do SINAGUA-JF, Edinaldo Sidclei Ladeira Ramos, listou os “aumentos abusivos” de tarifas e impostos durante a atual administração (“só a taxa de água ficou 39% mais cara”, exemplificou), em contraponto à ausência de reposição de salários. Ao final comunicou que os servidores da CESAMA podem ser os primeiros a entrar em greve, a partir de hoje, dependendo de uma reunião final, à tarde, no Ministério do Trabalho.

Após a Assembleia, os servidores saíram em passeata por vias centrais da cidade, passando pelas ruas Fonseca Hermes, Batista de Oliveira, Avenida Getúlio Vargas, Rua Santa Rita e Avenida Rio Branco, finalizando a manifestação mo Parque Halfeld. E colheram a primeira vitória: a marcação de uma nova rodada de negociações, nesta quinta-feira (2 de junho), às 16h30.

Veja em breve no site da Federação (www.feserpmg.com.br) uma galeria de fotos da manifestação.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

 

SAMSUNG CAMERA PICTURES

 

SAMSUNG CAMERA PICTURES

 

SAMSUNG CAMERA PICTURES

 

SAMSUNG CAMERA PICTURES

 

SAMSUNG CAMERA PICTURES

 

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Conheça as vantagens de ser um afiliado. Junte-se a nós e aproveite.