Coragem, Determinação, Transparência

Notícias

08/02/2019

A LAMA QUE NÃO VALE

(Rio de Janeiro, RJ) Segue abaixo o artigo feito pelo ex-deputado federal e professor universitário, Chico Alencar, sobre o crime ambiental ocorrido em Brumadinho.

- O pai tá demorando demais. Ele nunca trabalhou tanto… – reclamou o menininho à sua mãe. Esse pai (funcionário terceirizado da Vale) nunca mais voltará, como outros 347 mortos e desaparecidos com o rompimento da barragem 1 da Mina do Feijão.
Para além dos números, cada um que foi soterrado tinha uma história de vida, expectativas, sonhos. Cada um deixa saudade, perplexidade, imensa dor em milhares, a começar pelos seus parentes e amigos. Para sempre.
Lama pode ser a argila que gera tijolo, telha, casa, pode ser matéria orgânica fértil. Lama é também o mamífero camelídio, mais conhecido como lhama. Lama é sacerdote budista no Tibete. Lama virtuosa, que não faz mal.
A lama de que falamos agora é tragicamente outra: mortal, tóxica, poluente. Devastadora. Criação do homem associado em empresa e movido a ânsia de lucro. Lama é também, no sentido figurado, “caráter daquilo que degrada, envergonha; ação vil, baixeza” – ensina mestre Houaiss.
A lama não é de Brumadinho nem do Córrego do Feijão, é da Vale. Como não foi de Mariana, Bento Rodrigues e Paracatu de Baixo, e sim da Samarco/Vale/BHP Billiton.
Não se pode estigmatizar cidades e povoados.
O tsunami da lama destruidora que engoliu prédios, plantações, vagões, carros, ponte, gado e gente, muita gente, não foi acidente: foi crime. E todo crime tem seus responsáveis. Encontrá-los não é difícil, pois eles já tinham praticado ação semelhante há três anos e três meses antes do horror do 25 de janeiro de 2019. Na mesma Minas do corpo secularmente espoliado.
Dom Joaquim Mol, bispo católico e reitor da PUC Minas, foi agudo contra o que chamou de “homicídio coletivo”: “riquezas das Minas Gerais, seus minérios e tantas outras maravilhas, que tão generosamente nos foram dadas pelo Criador, transformaram-se em sua perdição. Minas vê, gravíssima e rapidamente, seus rios, lagos, afluentes, terras agricultáveis, comunidades e suas culturas sendo dizimadas.(…)Repito o papa
Francisco: do modo que se realiza, esta economia mata!”.
Falei de uma ação repetida. Qual? A do descuido, do plano de emergência que não funciona, da sanha do lucro, do desprezo pela vida humana, do modelo predatório de exploração mineral que ainda vigora no Brasil. Para agravar, há o jeito de “ressarcir prejuízos” que os responsáveis pela destruição organizam: protelação na Justiça, dinheiro imediato como “cala-boca”, cooptação de alguns dos vitimados para que aceitem as condições impostas, discurso da inviabilidade de mais controles, por “caros e de eficiência duvidosa”.
Tem também a lama dos governantes e dos legisladores. Testemunhei a resistência a qualquer exigência maior sobre as mineradoras por parte da bancada por elas financiada. Chamam essa situação que gera extermínio em massa de pessoas e do meio ambiente de “progresso”. Na regulamentação da lei, Executivos estaduais e federal também são todo ouvidos para os empresários, e dão de ombros para os anônimos moradores das áreas de extração e para o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB).
Nada de novo no triste horizonte: erguem-se barragens seguras contra uma investigação séria. O governo central fala em “flexibilizar licenciamentos”. Os chefes do Legislativo Nacional, Maia e Alcolumbre, ambos do DEM, não têm mínima identidade com a questão ambiental e parecem sequer se sensibilizar com o ecocídio, pois medidas para conter essas avalanches mortais não foram colocadas como pautas prioritárias.
Enquanto os do poder seguem com os mesmos (ul)trajes de sempre, Leidiane e Neiriane, filhas de Paula, arrumadeira da destruída Pousada Nova Estância, repetem o clamor pungente de um povo secularmente deserdado: “minha mãe, minha mãe! Onde está a nossa mãe? Ela está sozinha nessa lama. Não nos dão informação. Estamos no desespero”.
Essa lama degradante e vil não pode continuar a escorrer.

Chico Alencar

Publicado originalmente no Jornal do Brasil de 5/02/2019

chico post

Deixe uma resposta

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.

  • FESERP-MINAS
  • Rua Doná Mariana Evangelista, 37/102, Bairro Poço Rico, Juiz de Fora (MG) CEP 36010-430 - Avenida Bernardo Vasconcelos, 1252-A, Bairro Cachoeirinha, Belo Horizonte (MG) - CEP 31150-000
  • Telefones: (32) 3214-1316, (31) 3653-7484 e 3653-7499
  • Todos os direitos reservados à Federação Estadual Única, Democrática dos Sindicatos de Servidores, Funcionários Públicos das Câmaras de Vereadores, Fundações, Empresas Públicas, Autarquias e Prefeituras Municipais de Minas Gerais
  • Site desenvolvido pela Agência Infinit0