Coragem, Determinação, Transparência

Notícias

16/04/2018

Prisão de ex-prefeito de Uberlândia expõe tipo de fraude que prejudica servidor público municipal

(Uberlândia – MG) – A prisão do ex-prefeito de Uberlândia (MG), Gilmar Machado/PT (foto), durante operação da Polícia Federal (PF) denominada “Encilhamento” e desencadeada na semana passada, expôs um tipo de fraude que prejudica enormemente o servidor público municipal, já que o foco principal são as irregularidades envolvendo a aplicação de recursos de institutos previdenciários dos servidores em fundos de investimento. Na cidade também foram presos o ex-superintendente do Instituto de Previdência Municipal de Uberlândia (IPREMU), Marcos Botelho, e dois ex-integrantes do Comitê de Investimento do instituto, Cláudio Roberto Barbosa e Mônica Silva Resende de Andrade – E os quatro serão indiciados por fraude do mercado financeiro, lavagem de dinheiro e fraude à licitação.

“Lamentavelmente quem fica com o prejuízo é o servidor que contribuiu para a previdência, acreditando que faria jus a uma remuneração justa depois da sua aposentadoria. Daremos todas as informações e apoio para o instituto para que tentem reaver alguns desses valores, mas é bastante complexo porque o dinheiro está pulverizado no mercado financeiro”, afirmou o delegado da Polícia Federal, Carlos Henrique Cotta D’Ângelo.

Segundo as investigações da Polícia Federal o prejuízo aproximado é de pelo menos R$ 300 milhões aos cofres do IPREMU. O delegado D’Ângelo explicou que o Instituto mantinha cerca de 98% dos investimentos em bancos oficiais. Mas durante a gestão do ex-prefeito Gilmar Machado, uma nova consultoria foi contratada e passou-se a investir em títulos emitidos sem valor real.

        Ainda de acordo com o delegado, a consultoria está ligada a um grupo do mercado financeiro de São Paulo e foi contratada de forma ilícita, configurando crime de fraude à licitação. Os consultores indicavam ao IPREMU a retirada do dinheiro dos fundos oficiais para realocá-lo na compra de títulos podres.

         Os servidores do Instituto que foram contrários ao procedimento na época dos fatos foram exonerados pelo então prefeito e uma nova comissão foi formada para a gestão do instituto previdenciário. Em 2016, aproximadamente 50% dos investimentos passaram a ser em títulos podres.

Gilmar Machado

Deixe uma resposta

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.

  • FESERP-MINAS
  • Rua Doná Mariana Evangelista, 37/102, Bairro Poço Rico, Juiz de Fora (MG) CEP 36010-430 - Avenida Bernardo Vasconcelos, 1252-A, Bairro Cachoeirinha, Belo Horizonte (MG) - CEP 31150-000
  • Telefones: (32) 3214-1316, (31) 3653-7484 e 3653-7499
  • Todos os direitos reservados à Federação Estadual Única, Democrática dos Sindicatos de Servidores, Funcionários Públicos das Câmaras de Vereadores, Fundações, Empresas Públicas, Autarquias e Prefeituras Municipais de Minas Gerais
  • Site desenvolvido pela Agência Infinit0